28 maio 2008

K.

Ar altivo, de impertinência. Figura esguia mas atlética. Uma forma distinta de falar. E uma personalidade forte. De quem não gosta de se enganar, de quem não (se) perdoa facilmente. Uma persona tão marcante, que chamou "Me" à sua autobiografia. Pouco convencional e pouco Hollywood. Chegou a ser apelidada de veneno de bilheteira. Costumava ir a entrevistas com fatos de homem. E muitas mulheres lhe seguiram o exemplo. Começando a usar calças numa época de saias. Não gostava de jornalistas. Recusava entrevistas. E dava respostas irónicas. Também não gostava de dar autógrafos. O que levou alguns a chamá-la de arrogante. Quase foi Scarlet O'Hara. Mas queria sê-la sem sex appeal. Foi nomeada ao Óscar 12 vezes. Venceu quatro. Viveu um dos maiores romances do Cinema. Mas ele nunca deixou a mulher. No ecrã, estiveram juntos nove vezes. Era ruiva. Fã de John Gilbert e Greta Garbo. Não gostava de Meryl Streep, sua rival de nomeações nos Óscares. Adorava jogar golfe e ténis. E nadar. E tomar duches frios. Recusava duplas, nenhuma ficava direita o suficiente. Costumava dizer que uma actriz sem personalidade não era uma estrela. Ela era. Não lhe faltava nada.

2 comentários:

esquilo disse...

Hepburn. um nome entalado entre a candura e a altivez...

(please, stay!)

Cataclismo Cerebral disse...

Uma senhora cativante, talentosa e frontal. Pena é a birra que tinha em relação a Meryl Streep...

Abraço