25 fevereiro 2008

Coen brothers

Photobucket


E Joel e Ethan são os grandes vencedores da noite! Na fotografia, ao lado de Cormac McCarthy, o autor do livro que lhes deu os Óscares para Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Argumento Adaptado. No Country For Old Men venceu ainda um quarto Óscar para o Melhor Actor Secundário, Javier Barden.

Entre os derrotados da noite estão There Will Be Blood e Atonement. O primeiro, com oito nomeações, venceu apenas o Óscar de Melhor Fotografia e Daniel Day Lewis confirmou o favoritismo ao ganhar o Óscar de Melhor Actor Principal. Já Atonement conseguiu apenas um prémio (entre as sete nomeações) para a Melhor Banda Sonora Original. Juno também só conseguiu uma estatueta. Diablo Cody, antiga stripper e blogger, arrecadou o Óscar para Melhor Argumento Original.

Uma das surpresas da noite foi o Óscar para Melhor Actriz. A francesa Marion Cotillard arrebatou a estatueta pelo papel de Edith Piaf e fez o discurso mais emocionado da noite. Tilda Swinton venceu na categoria de Melhor Actriz Secundária pelo papel em Michael Clayton e fez rir a audiência quando agradeceu ao agente comparando-o fisicamente à estatueta. Cate Blanchett, duplamente nomeada, saiu derrotada. A Academia continua distraída.

Ratatoille recebeu a estatueta na categoria de Melhor Filme de Animação, um prémio sem surpresas.

A lista dos principais Óscares:

Melhor Filme: Este País Não É Para Velhos
Melhor Realização: Joel e Ethan Coen
Melhor Actor Principal: Daniel Day-Lewis
Melhor Actriz Principal: Marion Cotillard
Melhor Actor Secundário: Javier Bardem
Melhor Actriz Secundária: Tilda Swinton
Melhor Argumento Original: Juno
Melhor Argumento Adaptado: Este País Não É Para Velhos
Melhor Fotografia: Haverá Sangue
Melhor Direcção Artística: Sweeney Tood, O Terrível Barbeiro de Fleet Street
Melhor Banda Sonora Original: Expiação
Melhor Canção Original: Once
Melhor Filme de Animação: Ratatui
Melhor Filme Estrangeiro: Os Falsificadores
Melhor Documentário: Taxi to the Dark Side

9 comentários:

Barbeiros de Lisboa disse...

O oscar do Daniel D Lewis foi mais do que merecido. O dos Coen também. Agora insólito é o filme La vie en rose (que a Marion Cotillard interpretou) não estrear nas nossas salas. Só em dvd.
Insólito foi também este video:
http://videos.sapo.pt/VBzc31uMzeIODNlbBdGQ

Tá muito fixe! Mas parece incompleto. Alguém já viu se há uma versão completa?

Creeepy!!!!!!!!!

Fiquem bem,

Ricardo

Cataclismo Cerebral disse...

O Michael Clayton também foi um dos derrotados: dos 7 óscares apenas ganhou 1... Mas tendo em conta que o grande vencedor da noite arrecadou apenas 4 estatuetas, o sabor a desilusão acaba por não ser tão forte para todos os filmes nomeados.

Abraço

intruso disse...

(Não me surpreendeu muito a vitória de M.Cotillard... já a de Tilda Swinton foi absolutamente inesperada, até para a própria)
:)

Que pena o prémio de melhor realização não ter ido para P.T.Anderson
:(

wasted blues disse...

Barbeiros: não é insólito, tal como não é insólito as distribuidoras só estrearem o filme que venceu o Óscar só na 5ª feira.

Cataclismo: mas havia muito mais expectativa em relação a "There Will Be Blood" e "Atonement"! Os prémios foram muito distribuídos, de facto, mas os Coen não deixam de ser os vencedores da noite!

Intruso: quando vi a Tilda vencer o Óscar pensei que a Cate ganharia finalmente o seu num papel principal... Quanto à realização, estava dividida entre os 2, mas fico contente pelos Coen!

Daniel Pereira disse...

O filme da Cotillard estreou a 25 de Abril de 2007.

Cataclismo Cerebral disse...

Claro que os Coen não deixaram de ser os vencedores da noite. Mas para os outros filmes consola-lhes pensar que não perderam assim por tantas estatuetas ;)

wasted blues disse...

Daniel: pois foi, tens toda a razão!

Cataclismo: mas são as estatuetas importantes ;)

Alan Smithee disse...

Que fotografia fantástica, os Coen e McCarthy. Tudo gente que eu adoro :-)

Rui Luís Lima disse...

Olá!
O filme "La vie en rose" estreou nas nossas salas, já lá vão uns meses largos, nós vimo-lo no Monumental e o Oscar foi bem merecido, ela é o filme!
cumprimentos cinéfilos