10 janeiro 2008

M

Photobucket

Ainda sobre as premonições de Lang. Dois anos depois de Frau im Mond (1929), Fritz Lang rodou M e também aqui foi pioneiro. E nem falo da crítica social que marcou vários dos seus filmes posteriores, uma crítica do mundo social nas suas leis e nas suas convenções, uma crítica a um sistema e à própria civilização. Nem da forma genial como na época do aparecimento das palavras no Cinema, Fritz Lang soube conter-se e dar-nos o som mais forte de todos, o silêncio. Outro aspecto pioneiro em M é a exploração da investigação policial e dos seus métodos. Lang foi um dos primeiros a mostrar técnicas de pesquisa, laboratórios policiais, análise de impressões digitais e investigações nos locais dos crimes. Em todas estas cenas, há uma fundamental - a cena em que uma enorme impressão digital é projectada num ecrã.

Fritz Lang já tinha abordado a pesquisa policial no seu filme Spione (1928) e voltou a utilizar projecções semelhantes em outros filmes, como o uso do microfilme em Ministry of Fear (1944). Em M, a maioria da informação dada é baseada em casos policiais verdadeiros e métodos de investigação utilizados na altura pelas forças da polícia e detectives. No entanto, é também relevante realçar que, apesar de todos esses meios, Lang nos mostra que a organização criminosa acaba por se revelar bastante mais eficaz.

2 comentários:

Rui Luís Lima disse...

Fritz Lang foi sempre um cineasta meticuloso em todos os aspectos dos seus filmes e já em "A Mulher na Lua" era possível detectar essa vertente do seu cinema, aliás Hitler achou que esse filme possuía informação que merecia ser escondida.
"M" é um filme que revisto nos dias de hoje se torna ainda mais perturbante.
cumprimentos cinéfilos e bom fim-de-semana
paula e rui lima

Paulo disse...

De cada vez que penso em "M", cada vez me convenço mais de que foi um filme demasiado á frente do seu tempo. Aliás, basta atentar na tua última frase para compreender a sua actualidade. É um portento a nível de narrativa, estudo de personagens (que protagonista tão dúbio) e, não esquecer, de técnica cinematográfica :-)