24 outubro 2007

D.

Deu um beijo que chocou os anos 50. Um beijo de amor marginal e de um erotismo até à eternidade. Um beijo que os projeccionistas roubavam em forma de pequenos frames. Que lhe valeu um romance fora do ecrã. E a nomeação ao Óscar. Mas a Academia, talvez com medo do beijo, não a premiou. Era a segunda nomeação de um total de seis. A estatueta só chegou como consolo honorário. Era bailarina de formação. Foi a dança que a levou aos palcos. Depois contou histórias para crianças aos microfones da BBC. Mais tarde o cinema. De Inglaterra para Hollywood. Depois de ser freira e de se dividir em três. Cansou-se da imagem de constante sofisticação. Arriscou e venceu. O receio ficou para os outros. Não fingiu os seus beijos a Cary Grant. Dizia que não gostava de ser ela própria. Daí o amor pela representação. Ainda assim, sentia que era sempre demasiado nova ou velha para os papéis que lhe ofereciam. Tinha um ar doce. De beleza clássica. Chamavam-lhe "the english rose". Ela não apreciava. Era escocesa. Disse bom dia à tristeza. Foi Bond girl aos 46 anos. Para a promover, Hollywood disse que o apelido rimava com star. Será sempre uma senhora do Cinema. Apesar do beijo, ou por causa dele.

7 comentários:

esquilo disse...

bela descrição de Deborah Kerr. o melhor da elegância, o melhor da Great Britain, o melhor dos beijos no cinema...e dois filmes que eu adoro:"The King and I" e "An Affair to Remember".

Shivers disse...

Deborah Kerr

R.I.P.

PS: Gosto das mudanças ;)

Cataclismo Cerebral disse...

Lindo post, Wasted! RIP Deborah Kerr...

wasted blues disse...

esquilo: tenho uma preferência por "Black Narcissus" ou "Bonjour Tristesse", mas também não vi ainda "The King and I" (só a nova versão com a Jodie Foster).

shivers: estava a precisar ;)

catacllismo: obrigado ;) tens outros textos semelhantes na barra lateral, sob a designação de "Only Angels Have Wings".

H. disse...

Uma bonita homenagem a uma actriz cujo trabalho conhecido ainda muito mal...

Sara disse...

Oh, Deborah Kerr... Mais um verdadeiro e genuíno que talento que perdemos este ano...

wasted blues disse...

Sara: sim, tem sido um ano de grandes perdas...