23 abril 2007

Dia Mundial do Livro

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Deixo-vos o desafio...

... gostava que escrevessem uma passagem preferida, de um livro especial!

18 comentários:

Ursdens disse...

"Só conhecemos as coisas que cativamos - disse a raposa. - Os homens, agora já não tem tempo para conhecer nada. Compram as coisas feitas nos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens já não tem amigos. Se queres um amigo, cativa-me!"

Embora possa parecer um cliché, para mim este é, ainda, o melhor livro jamais escrito e o que sintetiza tudo o que é verdadeiramente importante!

Cumprimentos cinéfilos!

Knoxville disse...

"A vida não é a que cada um viveu, mas a que recorda e como a recorda para contá-la."

Gabriel García Márquez em "Viver para contá-la" da Dom Quixote.

Cumprimentos Cláudia :)

CORRE PÉ disse...

talvez o leite crie o seio, talvez o seio crie o leite.
Cartas do Agostinho da Silva

disse...

"Cada homem vivo transporta o peso de trinta fantasmas, pois é nesta proporção que o número dos mortos excede o de homens vivos. Desde o início dos tempos, cerca de cem biliões de seres humanos caminharam sobre o planeta Terra.
Ora, este é um número interessante, pois, por coincidência, há aproximadamente cem biliões de estrelas no nosso universo, a Via Láctea. Portanto, por cada homem que alguma vez viveu, brilha uma estrela neste Universo."

É o inicio do prólogo do 2001 Odisseia no Espaço de Arthur C. Clarke.

Anónimo disse...

"Eu não tinha a força cega dos vencedores ou a visão certa dos loucos... Era lúcido e triste como um dia frio."

Ricardo disse...

"Há coisas que não podem ser ensinadas em dez fáceis lições, nem popularizadas para as massas; demoram anos de esforço cerebral a adquirir. Pensar assim é uma traição numa Era em que a ignorância é rainha e a opinião dum gajo é tão boa como a de outro qualquer." -- Robert A. Heinlein em Glory Road

Hugo disse...

"ser gringo no México é uma eutanásia" Carlos Fuentes, O Velho Gringo.

Menphis_Child disse...

" pode não ser mais que amarmos sem regras, demora às vezes uma vida percebermos que o amor não tem afinal regras, pode acontecer que o inferno nos guie por vezes, e sem darmos muito por isso estamos numa busca da selva, à procura de outra coisa, de outra coisa que nem sabemos bem o que é, que simplesmente se assemelha muito ao que já tivemos e queremos preservar, às vezes cometemos erros atrás de erros atrás de erros porque não aceitamos que o encanto terminou, que ficou só terra queimada, não temos já maneira de segurar

( Como um pássaro ferido nas mãos em concha )"


O livro é " Mulher em Branco " de Rodrigo Guedes de Carvalho e foi o último livro que me encantou.

CP disse...

"FIM"

:P
(n resisti)

Alan Smithee disse...

Lembro-me de tentar imitar o sorriso de Burt Lancaster, depois de o ter visto, com Gary Cooper, em “Vera Cruz”. Dia após dia, no quintal, treinei o sorriso. Serpenteando no meio do tomatal. Rindo com desdém. Fazendo esgares, aquele esgar. Fazendo subir vagamente o lábio superior bem acima dos dentes. Após alguns dias de prática, ensaiei o sorriso perante as raparigas da escola. Não deram por nada. Repeti tanto a minha interpretação que acabei por provocar estranhas reacções nos outros miúdos. Olhavam bem a direito para os meus dentes, mas com olhos de susto. Tinha-me esquecido de que tinha uns dentes horríveis. Que um dos dentes da frente estava morto e escuro, encavalitado noutro, que estava partido. E eu que estava convencido de que tinha uma dentadura como a de Burt Lancaster, perfeita como pérolas. Como não queria assustar ninguém, a partir daí deixei de fazer esgares. Só o fazia em privado. Mas também isso depressa acabou. Regressei ao meu rosto vazio.

Sam Shepard - "Crónicas Americanas"

R. disse...

"- Sei ler olhares.
A contragosto, acreditei nela e escondi o meu."

(in A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón)

MRF disse...

"o absurso de tudo isso, disse Afonso, a paixão da paixão, a procura da procura, o desejo em último caso sem objecto, porque o seu objecto é o desejo, e nada do que você conta, ou sonha, existe,

o medo do amor, disse ela, o medo que você tem de ir ao limite de si próprio, de destruir tudo o que fica para trás e criar em seu lugar outra coisa.

Em que está a pensar? perguntou-lhe. Em nada, disse."

in O Silêncio, de Teolinda Gersão. (pag. 99, Public. Dom Quixote)

H. disse...

"Portanto a vida pode resumir setenta anos em setenta horas; agora tenho este tesouro e tenho a sorte de o poder avaliar inteiramente. Se não há «por muito tempo», nem para «o resto da nossa vida», nem «de hoje em diante», mas apenas existe «agora», pois bem, é ao momento presente que é preciso dar graças e sinto-me feliz."

Ernest Hemingway, Por Quem os Sinos Dobram (escolhi esta mas podia ser outra passagem do mesmo livro, o meu favorito dele...)

João Ricardo Branco disse...

«Estavam sentados lado a lado, tristes e mortificados, como que atirados, sozinhos, para uma costa deserta depois da tempestade. Raskólnikov olhava para Sónia e sentia que o seu amor por ele era grande e, coisa estranha, para ele era doloroso ser amado tão infinitamente. Sim, era uma sensação estranha e terrível. Quando se dirigia para casa de Sónia sentia que ela era a sua grande esperança e o seu grande remédio; pensava aliviar-se pelo menos de uma parte do seu sofrimento, e agora, num instante, quando todo o coração dela se lhe entregava, sentia e percebia que se tornara incomparavelmente mais infeliz do que antes.»

Uma das muitas excepcionais passagens de «Crime e Castigo» (Dostoiévski)

PS: e eu também gostava que escrevesses "uma passagem preferida, de um livro especial"! ;)

Herlander Rui disse...

"no saber trabalhar, amar e sofrer, está a arte de bem viver."
in Borda D`Água

RS disse...

«Porque é que eu não tenho namorada?
Não vejo nenhuma boa razão.
Pessoas bem menos simpáticas do que eu têm namorada.
Há idiotas que têm namorada.
Eu devia absolutamente ter uma namorada.

Há muita injustiça e idiotice no mundo.
Isso deve ser uma parte do meu problema.
Será que as pessoas idiotas são responsáveis por toda a música ridícula e pelos livros estúpidos, pelas revistas, pelos filmes e pela comida animada nos anúncios da televisão?
Será assim tão simples?
Às vezes acho que sim.
É um modelo de explicação muito natural.
Bastante apelativo.
Ou será que as pessoas no fundo não são estúpidas, até têm boas intenções, mas falham vez após vez?
Também é uma possibilidade.
Há uma grande diferença entre ser estúpido e simplesmente ter má sorte.
O que é certo é que têm namorada.
Todinhos.

Eu é que não.»


'Naïf. Super.'
de Erlend Loe
- onde também se diz:


«Acredito na purificação da alma através da brincadeira e do divertimento.»

M disse...

"Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendía havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo."
Gabriel Garcia Marquez - Cem Anos de Solidão

Ricardo disse...

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer —
Brilho sem luz e sem arder,
Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.
Ninguém conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...


É a Hora!
Valete, Frates.

Fernando Pessoa in Mensagem