23 março 2007

Dupla improvável

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

O The Times adianta que Martin Scorsese está a preparar uma colaboração com a duquesa de York, Sarah Ferguson, na produção de um filme sobre a juventude da rainha Vitória de Inglaterra. De acordo com o jornal, foi a duquesa a propôr a ideia para o filme - "As pessoas vêem Vitória como uma rainha melancólica, sempre de luto e vestida de negro. Deveria ser recordada como uma formosa jovem, que gostava de andar descalça na relva. A sua história é uma bela história de amor".

Sarah Ferguson teve acesso aos arquivos do palácio de Windsor enquanto preparava um livro sobre as viagens da rainha Vitória e outro sobre o seu retiro favorito, Osborne House, que escreveu a meias com a historiadora Benita Stoney. No prólogo do livro "Viagens com a Rainha Vitória", publicado em 1993, a duquesa de York expressava o seu fascínio pela longevidade da soberana britânica, que reinou desde 1837, quando tinha apenas 18 anos, até à sua morte, em 1901.

O filme vai contar a vida da rainha antes de subir ao trono, a primeira fase do reinado e o seu romance com o príncipe Alberto. O papel de Vitória vai ser interpretado pela actriz britânica Emily Blunt. A realização cabe a Jean-Marc Vallée e o argumento será escrito pelo actor e argumentista britânico Julian Fellowes, vencedor de um Óscar para o melhor argumento em 2001, por Gosford Park.

3 comentários:

Insano disse...

Emily Blunt isso sim... espero que não saia uma xaropada tipo The Queen...

Roberto Queiroz disse...

Entre os próximos futuros projetos de Scorcese, tem um com envolvimento do Mick Jagger, da banda Rolling Stones, que me parece interessante. Já esse da Rainha Vitória eu já tinha ouvido falar. Muito coisa no gênero vai pintar daqui pra frente depois do sucesso de A Rainha.

(http://claque-te.blogspot.com): O Último Rei da Escócia, de Kevin Macdonald.

Miguel Marujo disse...

Mais do que uma dupla improvável, que acho deliciosa, a dúvida é se Scorsese conseguirá libertar a Emily Blunt de eventuais espartilhos vitorianos?! Isso sim, seria revolucionário. E abençoado.