12 março 2007

Fantas 2007

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

E tudo começou com Pan's Labyrinth, de Guilhermo del Toro. Um filme que muitos acusam de simplista na sua visão do bem e do mal como absolutos e que eu quis ver como uma fantasia, um conto de fadas, onde esse maniqueísmo é (quase) obrigatório. É uma história que se divide entre o real, de uma Espanha Franquista, repleta de maldade e momentos tristes. E a fuga a esse real, num mundo que tanto pode ser imaginado pela jovem Ofélia, como pode ser, de facto, uma realidade alternativa. É um filme repleto de metáforas e analogias, como a cena do banquete, por isso, negar a orientação ideológica do filme não faz sentido.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Seguiu-se Renaissance, de Christian Volckman. Obra de arrojo visual inegável, a recordar o forte contraste preto e branco de Sin City, mas sem o charme do universo de mulheres fatais e homens de queixo quadrado criado por Frank Miller. Renaissance, esgotado o impacto visual, é um filme que vai beber aos Film Noir dos anos 40/50 e a filmes de ficção científica, mas que nunca se liberta das obras onde foi buscar a inspiração, nunca se reinventa, caindo em clichés de argumento e na previsibilidade dos acontecimentos.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

>No mesmo dia de Renaissance, vi ainda mais três filmes. Um deles foi Time, de Kim Ki-duk. História de obsessões, sobre o tempo que passa indiferente ao nosso querer e a vontade de o contornar. Sob a sua força, a nossa natureza efémera e a nossa busca de identidade. Sobre a questão do que nos define realmente. E depois há aquelas fabulosas esculturas que, mais do que a sua natureza invulgar, representam a permanência, a imutabilidade e nos provam a nossa mudança e a nossa fragilidade perante a força do tempo.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

The Host, de Bong Joon-ho surpreendeu-me pelo humor e quase non-sense que apresenta. Surpreendeu-me também pela carga dramática, concentrada naquela família que tanto se ama. Desrespeitanto o mais básico dos códigos dos filmes de terror, o realizador opta por nos mostrar, à luz do dia, e no início do filme a causa de todos os males - o monstro. Mas, mais do que um "filme de monstro", The Host é a história da luta duma família para permancer unida. Filme de entretenimento, mas também repleto de metáforas políticas e sociais, The Host é uma experiência sem dúvida diferente.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

O quarto filme do dia foi The Woods, de Lucky McKee. Ao meu lado tinha dois amigos entusiasmados com a ideia de verem colegiais num filme de terror. Mas até eles acharam o filme banal. Que fará eu...


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Isabella é um grito que ecoa na voz de Yan. Isabella, a sua cadela, perdeu-se nas ruas de Macau e ela, Yan, deambula nessas e outras buscas. Ho-Cheung Pang conta uma história que tem por fundo Macau, no último ano de domínio português, e essa presença lusa sente-se por todo o filme. Yan, menina sem rumo certo encontra o pai que não sabia ser pai. Entre eles nasce uma relação, no mínimo, diferente. Um filme estranho, mas belo.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Não consegui rever Branco e Vermelho, mas Bleu, de Krzysztof Kieslowski foi a minha única incursão ao Pequeno Auditório. Não via o filme há anos e fiquei admirada por ter andado tanto tempo distante desta trilogia. Entretanto, já revi as outras duas cores em casa, sem a magia do grande ecrã, é certo... mas com toda a sua força como história(s). A liberdade é azul em Kieslowski, numa obra sublime sobre a vida e a liberdade de estar vivo.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

A música que sai de um buraco significa o desejo de fuga de um mundo onde não se sente. Os beijos trocam-se com indiferença, o amor faz-se de forma mecânica, a vida vive-se sem emoção. Em The Bothersome Man, de Jens Lien, um homem sem memória chega a uma cidade desconhecida, onde lhe é dado um emprego e uma esposa. Mas, aos poucos, começa a estranhar aquele mundo perfeito, onde ninguém sonha e todos parecem desligados, sem emoções. A descobrir!


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

A premissa prometia (nem que fosse pela curiosidade) - tradições e civilizações chinesa e finlandesa reunidas num filme. Mas Jade Warrior, de Antti-Jussi Annila, apaixonado pelas duas mitologias, desilude. História de um guerreiro dos tempos ancestrais, na China, que luta contra o seu destino para ficar com a sua amada. Algo que só irá acontecer, milhares de anos depois, na Finlândia. A ligação entre o presente e os flashbacks ao passado torna-se, por vezes, confusa, tal como os elementos da história que nos vão sendo dados a conhecer.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

To Sir With Love, de Lim Dae-wung, acaba por ser um filme sobre insegurança, apesar da sua ideia base de vingança. Insegurança que nos leva a carregar marcas, a martirizar-nos com acontecimentos do passado, aqui levada ao extremo, claro. Miss Park era uma professora primária cujos laivos de malvadez deixaram marcas nos seus alunos. Dezasseis anos depois, uma visita de antigos alunos à velha professora, agora numa cadeira de rodas, torna-se uma expiação de fantasmas não esquecidos. Shasher movie coreano que revisita os códigos do mesmo tipo de filmes americanos dos anos 80, falta a este To Sir With Love algum suspense.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Foi, geralmente, mal recebido pelo público e crítica lá fora. Mas o filme de Chen Kaige, The Promise, é uma bela história sobre amor e liberdade, muito mais do que um mero filme de artes marciais. Mais do que a história da menina que faz uma promessa da qual se arrepende, a mim tocou-me especialmente a história do escravo que já foi livre e da maldição de um seu conterrâneo... e mais não digo.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Simples mas eficaz. Assim se resume El Método, de Marcelo Piñeyro. Sete candidatos a um emprego são reunidos numa sala onde têm de passar uma série de provas para, no fim, restar apenas um. O filme desenvolve-se de forma inteligente e tem boas personagens, muito específicas, que interagem num espaço claustrofóbico, onde a suspeita se instala. Do lado de fora do edifício, decorre uma manifestação anti-globalização onde se luta por causas maiores; ali, depressa se ultrapassa a cortesia formal, para se passar às inseguranças e aos ataques em nome de um emprego. Apesar de tudo, esperava um final diferente, mais forte.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Michaela acredita estar possuída. Submete-se, por isso, a diversos exorcismos e acaba por morrer. Na realidade, sofria de epilepsia e alucinações, mas a estrita educação católica dizia-lhe algo diferente. Baseado numa história real, Requiem, de Hans-Christian Schmid, é o filme de uma actriz, Sandra Hüller, numa obra sóbria e inteligente.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Sem desilusão, porque não havia expectativas. Re-cycle, de Oxide Pang Chun e Danny Pang, é mau. Ponto final.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Filme de sonhos e pesadelos. Em Paprika, de Kon Satoshi, um aparelho que permite aos psiquiatras entrarem nos sonhos dos seus pacientes, é roubado. Mas é também o ponto de partida para um festival de imaginação e de maravilha visual, que não esquece o argumento. É poesia em forma de animação, com ficção científica q.b.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Exemplar (quase) perfeito dos mais belos melodramas coreanos. Ji-eun Kang conta-nos, em Love Phobia, a história de uma menina de gabardine amarela que afirma ser uma extraterrestre e do menino que se apaixona por ela. E não escrevo nem mais uma palavra :)


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Outro que entra na lista do pior que vi neste Fantasporto. Baseado num jogo de vídeo, Silent Hill, de Christophe Gans, está cheio de clichés, de falta de imaginação e, principalmente, de bom gosto.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

O festival, para mim, não encerrou com The Fountain mas com Hana, de Koreeda Hirokazu. Uma bela surpresa que conta a história de samurais fora do tempo da guerra. Homens de espada e perícia, cujo prestígio não serve de muito na paz. Numa pequena aldeia, um samurai quer vingar o pai e ganhar a honra, mas o fato que usa não se equipara às fracas capacidades de espadachim. O filme dá-nos um retrato das personagens da aldeia, numa obra dramática sobre a amizade, o companheirismo e o amor. Delicioso.

13 comentários:

Joana C. disse...

Estou muito ansiosa pelo "Time" do Kim-Ki-Duk!

Francisco Mendes disse...

Kore-eda é imenso... IMENSO!

Mas ainda bem que vejo mais um texto sobre o novo filme de Jens Lien, "Den Brysomme mannen". Infelizmente, irá passar despercebido para muitos.

_Loot_ disse...

Uau, adorava ter ido ao fantas.
Quanto ao the fountain podes vê-lo já esta semana, por isso não há grande problema

H. disse...

Isso é que foram filmes! Devemos ter estado em algumas sessões e partilhamos alguns pareceres (Isabella).
Mas agora o que quero mesmo dizer é: eu quero ver o filme da menina da gabardine amarela!!! ;)

Skywatcher disse...

Lindo o Isabella. Pena de não ter podido ver o Paprika. E quaaaase perfeito o Love Phobia... Agora tenho que voltar porque estão-me a chamar da NASA... ;)

wasted blues disse...

Joana - não sei se já tem prevista estreia nacional...

Francisco - também viste o 'Hana'? Gostei tanto! Não acredito que o 'Bothersome Man' estreie cá comercialmente, e mesmo que estreie, deve passar despercebido.

loot - já o podia ter visto até antes do Fantas, mas anda teimosamente a escapar-me ;)

Helena - já reparei que tivémos várias sessões em comum, tal como o Francisco. Devia ter sido combinado ;)

O 'Love Phobia' é como diz o meu amigo sky... quase perfeito :) Não te digo o porquê do "quase", espero que vejas o filme assim que puderes!

Sky - seja bem aparecido :P

gonn1000 disse...

Bem, que maratona... Nunca fui ao Fantas, infelizmente este ano também não pude. Mas o Indie está aí a chegar e esse não me escapa :P

Hugo Alves disse...

A isto eu c hamo: orgia festivaleira! Sim senhor! :-)

wasted blues disse...

Gonn - este foi o meu 2º ano :) Espero também poder ver vários no Indie!

Hugo - e não coloquei aqui as 6 curtas-metragens que também vi :P

Insano disse...

Shame on you!! To enter that doors!

Mais os cromos que te guiaram... hereges ao quadrado!

Paulo disse...

Tanto filme. E eu, tripeiro de gema, não vi quase nada :-S

Curioso que, tal como já me tinhas dito, também não gostaste do Silent Hill, tal como toda a gente com quem falei sobre o filme, o que me leva a pensar quem foi afinal que se manifestou tão exaltadamente no final e durante o filme...

Já agora, que curtas é que viste?

Nuno Pires disse...

Time já me parece, sem o ter visto, um filme do qual vou gostar muito...

wasted blues disse...

Insano - tralala :P

Paulo - tsst, tssst ;)

Quanto a curtas vi: O Jardim das Delícias da Química, The Faeries of Blackheath Woods, Finkle's Odyssey, The Handyman, The Listening Dead e The Descendent.

Só gostei realmente da vencedora - The Listening Dead.

Nuno - também acho ;)