12 novembro 2006

Première!

Photobucket - Video and Image Hosting

A Première francesa faz este mês trinta anos e, para celebrar, lançou um número especial. Como é costume nestes números de aniversário publica melhores momentos, capas antigas, tops, entre outras coisas.

Pulp Fiction, com Alain Chabat no lugar de Uma Thurman, tem honras de capa por ter sido considerado o melhor filme pelos leitores da revista. No top, que inclui filmes de 1976 a 2006, estão:

01. Pulp Fiction, de Quentin Tarantino
02. Lord of the Rings (trilogia), de Peter Jackson
03. Star Wars (os 6 filmes), de George Lucas, Irvin Kerschner e Richard Marquand
04. Le fabuleux destin d'Amélie Poulain, de Jean-Pierre Jeunet
05. Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola
06. Fight Club, de David Fincher
07. Once Upon a Time in America, de Sergio Leone
08. Titanic, de James Cameron
09. Schindler's List, de Steven Spielberg
10. Million Dollar Baby, de Clint Eastwood

Não sei quanto a vocês, mas preferia um top da própria Première e não dos leitores. Claro que as listas são sempre subjectivas, mas a lista continua até ao número 30 e é constituída, quase exclusivamente, por filmes norte-americanos. Além disso, só nos últimos lugares é que aparecem Blade Runner e Taxi Driver...

19 comentários:

Thanatos disse...

Esse tem sido o principal problema das listas dos «melhores». Esquecem por completo as outras cinematografias e parece que páram no tempo algures ali pelos anos 70.

Enfim, nada como cada um de nós vir aqui dar a sua lista de melhores filmes. Por acaso a minha também contém imensos norte-americanos mas pelo menos são quase todos a preto-e-branco :-D

wasted blues disse...

Mas esta era mesmo para ser um top de 1976 a 2006, por causa dos 30 anos da revista! ;)

E listas de leitores já se sabe que só escolhem os óbvios, daí preferir que tivessem feito um top da própria revista, dos seus jornalistas e críticos.

Thanatos disse...

"Mas esta era mesmo para ser um top de 1976 a 2006, por causa dos 30 anos da revista!"

Oooops! Mesmo assim quantos estão ali de 1976 até 1985? Aposto que a percentagem é mínima. Tirando o quinto e sétimo lugar é tudo relativamente novo. São bons filmes sem dúvida mas mesmo assim onde páram os Loach, Kiarostami, Kusturica, etc?

É como referes, wasted, listas de leitores dá nisto. Só se lembram do que alugaram ontem no blockbuster da esquina.

brain-mixer disse...

Mas a Premiere FR já fez esse top ;)
Se não me engano, foi na comemoração do número 300 da revista. Por alturas comprei e creio que até era um número especial, à parte da revista regular. Lembro-me nesse mês ter comprado 2 revistas deles :P

(Vinha com top's de cada um dos críticos e com os melhores momentos da história do cinema, 300 deles para ser mais preciso)

Nuno Pires disse...

É realmente uma tarefa difícil fazer uma tal lista... :S

(eu não tenho a certeza que os jornalistas da Premiere tivessem estabelecido uma lista muito diferente...)

wasted blues disse...

Thanatos - enfim...

brain-mixer - infelizmente, não apanhei essa revista (há 57 números atrás).

Nuno - difícil e sempre subjectivo.

o habitante disse...

Confesso que não tenho um filme favorito. É como a música. Depende dos momentos. É claro que há filmes que me marcaram, outros - tantos - que desconheço e me marcarão...outros que sei que andam por aí e não vi.
Mas este aqui nunca fará parte de uma lista e adoro: koyaanisqatsi de Godfrey Reggio, de 1978 e levou 7 anos a realizar. Música do Philip Glass.

Hugo Alves disse...

Chamem-me mau feitio ou pedante, mas a lista deixa muito a desejar. É só americanices praticamente! E desde quando é o Senhor dos Anéis ganha a um Leone? Ai senhores.

Dúvida: era um top com períodos temporais fixos? É que se não é esse o caso, é preocupante a falta de referência a alguns clássicos...

wasted blues disse...

habitante - também não tenho um filme favorito, tenho muitos. Mas se me pedem para os dizer, fico sempre com aquela sensação de estar a deixar imensos de fora...

Hugo - como disse ao Thanatos, os filmes incluídos tinham de ser de 1976 a 2006 - os 30 anos da revista ;)

Essa do "chamem-me pedante" fez-me lembrar aquela de um tipo em Londres que, na recepção do hotel, diz "call me a taxi" e o recepcionista responde "you're a taxi"! :P

R. disse...

Nada de Hitchcock, nada de Woody Allen? Que raio de top é esse? Titanic, Amélie? Blargh... Por isso é que das eleições só saiem tipos sem valor. O "povinho" é ignorante.

Dário Ribeiro disse...

Bem... dessa lista, 4 estão no meu actual top 10! E o meu preferido de sempre também aí está, por acaso mal "classificado"... ali perdido entre o o 8º e o 10º... :-0

Mas todas as listas são de facto sempre subjectivas... ;0)

João Ricardo Branco disse...

Pessoalmente prefiro as listas de críticos ou de revistas às listas resultantes dos votos do público, seja ele qual for.

Entendo estas listas no contexto de uma visão demasiado generalista do cinema, onde se privilegiam filmes americanos recentes e grandes êxitos de bilheteira. Por isso, raramente me revejo nestas listas, que considero em regra bastante medíocres.

Este TOP10 dos leitores da revista tem todos os vícios que aponto acima, embora tenha o mérito de conter três obras-primas indispensáveis e incontornáveis dos últimos 30 anos: «Apocalypse Now», «Once Upon a Time in America» e «Schindler's List». São três filmes, de três décadas diferentes, que merecem presença nos lugares cimeiros (ou mesmo no lugar cimeiro) das respectivas décadas.

Depois há o resto. Que não me parece, definitivamente, merecer figurar neste TOP10.

«Pulp Fiction» e «Fight Club» parecem-me ser evidentes escolhas geracionais (e até rotineiras neste tipo de listas): o primeiro é um filme fundamental na filmografia de Tarantino (embora não o melhor, nem o meu preferido); o segundo (apesar da maior carga geracional) sempre me pareceu um filme bastante medíocre (o pior do excelente mas sobrevalorizado David Fincher).

Também se compreende que as trilogias «Lord of the Rings» e «Star Wars» estejam presentes. Os três primeiros filmes da saga «Star Wars» trouxeram algo de novo ao cinema de massas e merecem a reputação que têm. A trilogia «Lord of the Rings» (com a qual apenas simpatizo) também foi um fenómeno de massas que fez vibrar este início de século (bem como os bolsos do limitado cineasta que é Peter Jackson), embora me pareça muitíssimo sobrevalorizada.

Restam «Titanic» (excelente epopeia), «Le fabuleux destin d'Amélie Poulain» (que oscila entre o simpático e o irritante, consoante a disposição com que o vejamos) e «Million Dollar Baby» (o terceiro melhor filme do ano passado).

Enfim, estas listas valem o que valem. Para mim, valem muito pouco para além do factor curiosidade...

Harry_Madox disse...

e essa de votarem num conjunto de 6 filmes como se fosse um só é peregrina...

Harry_Madox disse...

e essa de votarem num conjunto de 6 filmes como se fossem um só é peregrina...

brain-mixer disse...

João Ricardo Branco, quando afirmas que David Fincher é excelente mas sobrevalorizado, isso é o que eu chamo de antítese... Ou se é excelente e merece o reconhecimento ou não o é e entaõ passa a ser sobrevalorizado.

Mas concordo contigo (e com todos os restantes) quanto ao que se trata de filmes recentes na lista.
- Fica uma nota, aquando aqueles TOP's que refiro nos comentários acima, os críticos da Premiere FR tinham títulos tão diversos como Robocop, Brazil, Eduardo mãos-de-tesoura, The Killer... Entre outros ;)

wasted blues disse...

No fundo, chegamos à mesma conclusão. Velem o que valem e são sempre subjectivas.

Por exemplo, para mim, não estar ali o 'Manhattan' é logo pecado capital ;)

João Ricardo Branco disse...

Caro brain-mixer,

Esta zona mais informal dos comentários em particular, e a Internet em geral, propicia muitas vezes uma escrita mais rápida e menos cuidada, que pode conter gralhas ou incoerências de raciocínio ou de análise.

Poderia, naturalmente, ter sido esse o caso na questão da sobrevalorização de David Fincher, que me apontas. Mas, salvo opinião diversa, não acho que haja no meu comentário a esse respeito qualquer incoerência (ou, utilizando a tua expressão, «antítese»).

De facto, quando se diz que uma coisa é sobrevalorizada quer dizer-se que uma pessoa ou conjunto de pessoas (consoante o caso) atribui a essa coisa um valor superior àquele que nós lhe atribuímos. É uma questão subjectiva, de percepção e de graduação do gosto. E o mesmo se passa com a ideia de subvalorização. Por exemplo, para mim Steven Spielberg é um realizador genial, um dos maiores de sempre; algumas pessoas concordam, muitas acham-no apenas excelente; outras apenas razoável. Posso dizer, naturalmente, que as pessoas que o consideram (apenas) excelente estão a subvalorizá-lo… Penso que não há aqui qualquer contradição!

Com David Fincher passa-se o mesmo. Acho que tem um filme magnífico («Se7en»), um muito bom («The Game»), um razoável («Panic Room») e dois bastante medíocres («Alien 3» e «Fight Club»). Em geral considero-o um bom realizador, excelente do ponto de vista técnico, mas ao qual muita gente atribui um excessivo valor. Daí ter dito que é muitas vezes sobrevalorizado. Apesar de ter um potencial excelente!

Cumprimentos

Insano disse...

E porque não tem um Lynch, um Cronenberg, um Stone, um Soldonz, um Nolan, um Anderson (neste podem escolher vários...)... estas listas são o cruzamento de várias listas pessoais que têm os filmes especiais para cada um e normalmente os filmes geracionais, os que marcaram grande parte de 1 geração. O que cansa é arrogância e presunção que se olha para estas listas, como se eles fossem copiadas de um box-office. Dos dez filmes da lista, para mim todos merecem nota 8,9 ou 10... mas nessas 3 décadas, tenho outra centena de filmes ao qual atribuo as mesmas notas... felizmente há muito bom cinema.

brain-mixer disse...

O que eu realmente gosto de analisar nos blogs é a grande diferença de opiniões e gostos em diferentes filmes. Coisa que aceito e concordo plenamente, hem...

Porque quando se diz que Fight Club é medíocre, quem gostou do filme (como eu e muitos outros) fica com a estranha sensação de abanão, de não poder ripostar pois a opinião de cada um é legítima :P
Tal como Alien3 não ser medíocre, apenas médio no meu ponto de vista.

E quanto à tua explicação sobre os comentários, João Ricardo, compreendo claramente. E espero também não ter comentado demasiado depressa para me levares a mal, eheheh!