28 dezembro 2004

Os Inadaptados

Photobucket - Video and Image Hosting

O principal problema com a expressão "filme de culto" é o facto de, hoje em dia, qualquer filme minimamente diferente ser logo catalogado como sendo de "culto". Ser "filme de culto" é mais uma manobra de marketing do que outra coisa. Para mim, culto nada tem a ver com marketing, tem a ver com fascínio, com a singularidade de um filme que, por uma razão ou por outra, vai ganhando uma aura à sua volta. É o caso do grande flop One From the Heart de Francis ford Coppola ou do filme Os Inadaptados de John Huston.

Os Inadaptados, por exemplo, é um filme de que já ouvia falar há muitos anos e só recentemente vi. Não sei se conhecem o enredo do filme, mas um possível resumo da história não ilustra o culto que se criou em torno deste filme. Os Inadaptados é um filme mítico. E são poucos aqueles filmes que, após tantos anos, conservam uma aura assim.

Desde logo, o facto de ser uma história escrita por um dos grandes dramaturgos do século, Arthur Miller. O escritor quis, desta forma, dar um papel dramático à sua esposa Marilyn que, durante muitos anos, se sentiu pouco valorizada como actriz. Acabaria por encontrar em Roselyn uma personagem de forte carga dramática, construindo uma das melhores interpretações da sua carreira. Além de Marilyn, todo o elenco era de estrelas, destacando-se Clark Gable e Montgomery Clift.

Em Hollywood, há 40 anos, estas eram das maiores estrelas e o fascínio sobre elas era enorme. O próprio argumento de Arthur Miller organiza-se como uma parábola de profunda mágoa poética sobre um tempo que termina: os cavalos selvagens do deserto são como os derradeiros e irrecuperáveis heróis de uma época de glória. Os problemas que marcaram as rodagens contribuíram também para a imagem de filme maldito.

A rodagem foi de uma grande exigência, pois a maioria das cenas era filmada em exteriores, em pleno deserto do Nevada, com temperaturas muito elevadas, o que acabou por atrasar as filmagens. O destino trágico das suas estrelas logo após a rodagem do filme, ou seja, a morte dos seus próprios «inadaptados» também contribuiu para envolver este filme numa aura de culto.
As filmagens acabaram a 4 de Novembro de 1960 e 12 dias depois, Clark Gable morreu na sequência de uma crise cardíaca. A 5 de Agosto de 1962, morreria Marilyn Monroe, em circunstâncias que nunca foram totalmente esclarecidas e, em 1966, desaparecia Montgomery Clift, vitimado por um ataque cardíaco.

Um outro factor para o crescimento da aura... ou do culto, são as fotos da Magnum nas rodagens de Os Inadaptados: o lado estético, pois são todas elas fabulosas imagens dos melhores fotógrafos da agência (Cornell Capa, Eve Arnold, Henri Cartier-Bresson, Bruce Davinson, Elliott Erwitt, Ernst Haas, Erich Hartmann, Inge Morath e Dennis Stock); o lado do star-system, com estrelas que já não existem nos dias de hoje e reflexo de um Hollywood, cujo glamour mais brilhante se perdeu por volta desta altura; e o lado de uma aura um pouco mórbida, de um filme maldito, com a morte algo precoce das suas estrelas.

Se quiserem ver as fotos podem consultar este site... um dos mais completos que encontrei.

1 comentário:

Hugo Alves disse...

É de facto verdade que hoje qualquer filme vira culto com grande facilidade. Mas no caso de The Misfits, é mais do que merecido. Aliás, acho que o facto de termos, de certo modo, a queda do mito da americanidade ajuda muito (o facto de a personagem do Gable lutar a pulso para manter o estilo de vida é um indício).

Mas o que mais impressiona é o lado cénico. Aquele deserto, árido, como a vida deste trio...sendo que o mais choca, tal como no caso do James Dean, é a exploração algo mórbida que se fez deste filme e que acabou por contribuir para aura de eternidade que ainda hoje tem

As fotos talvez tenham ajudado, mas já não há estrelas assim. Numa época do imediatismo e de pensamentos levianos - leias-e que carecem de pensamento profundo, ver Clift, Gable e Monroe é uma delícia para a vista. É o reviver do studio system. Eles foram dos últimos resistentes e, com eles, foi-se uma era. A era do glamour e da classe...para sempre eternizada pelas objectivas da Magnum :)